1. Home
  2. DESTINOS
  3. Profissionais de Turismo serão todos vacinados na Ilha da Madeira

Profissionais de Turismo serão todos vacinados na Ilha da Madeira

0
0

Até ao final deste mês de maio, o Governo Regional da Madeira prevê vacinar contra a COVID-19 os 25 mil profissionais de turismo da região. Este foi um dos anúncios feito pelo secretário Regional da Cultura e Turismo da Madeira, Eduardo Jesus, esta sexta-feira, numa conferência conjunta com a Associação Portuguesa de Agências de Viagens e Turismo (APAVT), no âmbito do ‘Destino Preferido APAVT 2021’, título que a Madeira repete pelo segundo ano consecutivo.
“Até ao final do mês de maio podemos apresentar-nos como um setor todo ele prevenido sob o ponto de vista da vacinação”, destacou.

Segundo o responsável madeirense, a região implementou um conjunto de medidas para fazer a gestão da pandemia que “muito provavelmente vão ficar no território além da vigência dessa mesma pandemia”.
Além do Manual de Boas Práticas para lidar com a COVID-19, a Madeira decidiu, logo em março de 2020, certificar o destino contra os riscos biológicos com a multinacional SGS, contando atualmente com mais de 70 empresas certificadas, entre as quais se inclui aeroportos e portos. “Neste momento, somos o único destino turístico com esta persistência”, indicou.
A estas acresce a operação de triagem colocada em prática nos aeroportos da região que “nos valeu o sossego no território do ponto de vista deste controlo pandémico”, mas também a criação do corredor verde em ambos os aeroportos da Madeira e do Porto Santo que permite que os passageiros vacinados ou curados da COVID-19 tenham livre-trânsito no território. Eduardo Jesus mantém a reivindicação que “toda a viagem devia ser precedida da realização de um teste” algo que, defende, se tivesse sido implementado de forma generalizada pelo menos no espaço europeu teria contribuído para que o impacto da pandemia fosse “muito inferior”.

Além da recente vacinação dos profissionais do setor turístico, o secretário regional afirmou que o Governo Regional decidiu que “a Madeira vai continuar a oferecer um teste PCR ou de outra tipologia sempre que necessário a qualquer visitante que venha até à Madeira, ou seja, aquele visitante que não utilizar o PCR que já é hoje oferecido pela região para cá vir, pode beneficiar de um PCR neste destino para cumprir exigências que tem a ver com a sua origem”.
Para o responsável, com estas medidas é possível dotar o destino Madeira e Porto Santo de “uma capacidade de resposta face aos inúmeros desafios que foram sendo colocados sobre o setor das viagens e turismo”.

Estas medidas que têm sido implementadas pela região e “o trabalho e proximidade permanente ao setor” levam o responsável a avançar com a perspetiva de “ter este ano um bom verão para o mercado nacional”, que “encontra na Madeira uma solução neste momento, mas que queremos transformar numa solução continuada no tempo”. “Podemos constatar que a Madeira e o Porto Santo estão na mira do mercado nacional e isso deve-se ao enorme trabalho que está a ser feito pelos operadores turísticos e à coordenação da APAVT”, assegura.

Pedro Costa Ferreira, presidente da APAVT, salientou na mesma conferência de imprensa, que em 2020 o destino registou “o melhor agosto de sempre em termos de turistas nacionais para a Madeira”, muito graças ao trabalho conjunto entre os operadores turísticos e a região da Madeira. A ambição para este ano, disse o responsável da distribuição turística, é “crescer em cima do melhor mês de agosto de sempre de turistas nacionais no arquipélago”.
“Tencionamos conseguir um novo recorde e não tencionamos porque gostávamos, mas porque a Madeira tem feito uma gestão da pandemia interna que traz muita segurança ao consumidor e hoje essa segurança é essencial. Nunca a situação pandémica na Madeira esteve fora de controlo, isso dá um lastro muito grande”, reforçou.

Atualmente, existem seis voos charter para o Porto Santo promovido pelos operadores turísticos nacionais, sendo que para a Madeira a solução encontrada a nível de acessibilidade face às tarifas pouco competitivas da companhia aérea TAP pode também passar pelo lançamento de uma operação charter conjunta (ler aqui).