1. Home
  2. NEGÓCIOS
  3. Turismo terá 6,1 milhões de euros para o turismo em Portugal

Turismo terá 6,1 milhões de euros para o turismo em Portugal

0
0

O Governo português anunciou o \ Plano Reativar o Turismo|Construir o Futuro, com um orçamento de 6.112 milhões de euros no sector com objetivo de para ultrapassar a meta traçada para 2027, que é alcançar os 27.000 milhões de euros de receitas turísticas.

Segundo o ministro o ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, “o objectivo é chegarmos a 2027 no nível que projectámos em 2017. Em 2017 projectámos um ritmo de crescimento da receita turística que atingisse 27.000 milhões de euros em 2027. A crise podia-nos deixar abaixo deste objectivo. O nosso plano visa colocar-nos nesse nível e até, se possível, superá-lo”.

Dos 6.112 milhões de euros destinados ao Plano Reativar o Turismo|Construir o Futuro, de 4.075 milhões de euros é garantida pelo Banco Português do Fomento, que destinará uma verba de 3.000 milhões de euros para apoio às empresas do sector turístico.

Quatro pilares de actuação fazem parte do Plano que destina apoiar empresas, fomentar segurança, gerar negócio e construir futuro, sendo composto por acções específicas que “permitirão transformar o sector e posicioná-lo num patamar superior de criação de valor, contribuindo de forma expressiva para o crescimento do PIB e para uma distribuição mais justa da riqueza”.

Nos apoios às empresas, os 3.000 milhões de euros previstos serão aplicados em soluções de capitalização, em garantias públicas para refinanciamento ou reescalonamento da dívida pré-pandemia e em linhas de crédito com garantia para financiamento de necessidades de tesouraria.

Para o apoio às empresas, o plano destina 300 mil euros para uma rede integrada de apoio ao empresário e um programa de mentoria.

Para fomento da segurança, o plano estima um total de 10,24 milhões de euros nos programas “Clean & Safe”, “Seamless Travel” e “Adaptar 2.0”, além de um investimento de 15 mil euros numa campanha de estímulo à adopção de comportamentos seguros e no certificado verde digital.

Para dinamizar negócio, o governo planeia investir 250,4 milhões de euros no Programa Internacionalizar Turismo, no reforço da capacitação do trade internacional, no Portugal Events e no reforço de parcerias através da contratualização da promoção externa.

Nesta área está previsto ainda um investimento de 27,5 milhões de euros para repôr a capacidade aérea e aumentar a continuidade territorial através do Programa VIP, bem como promover e estimular a adopção da mobilidade sustentável.

A segunda maior fatia do investimento, a seguir ao apoio às empresas, é na construção do futuro, que prevê um total de 2.531,2 milhões de euros, incluindo 1.075 milhões para financiamento das empresas, designadamente através do reforço do Reforço do Fundo Imobiliário Especial de Apoio às Empresas, das Obrigações de Turismo, do Programa para Acesso das PME ao Mercado de Capitais, e dos Fundos para a Concentração de Empresas e para a Internacionalização das Empresas do Turismo.

O plano inclui ainda um investimento de 25,1 milhões de euros na área da formação, designadamente através de Centros de Conhecimento e Especialização Formativa, Programa de Market Intelligence para o Destino Portugal, Programa de Formação de Migrantes e Pessoas em Dificuldades Financeiras Severas, Programa de Captação de Talento, Formação dos trabalhadores do turismo (75.000 trabalhadores) e Formação Mais Próxima, e Capacitação dos gestores para a gestão (30.000 empresas) – BEST 2.0.

Na área da inovação nas empresas e nos destinos, o governo planeia investir 790 milhões de euros nos programas Turismo + Digital (Empresas Digitais e Territórios Digitais), Upgrade Tomorrow (reforçar competências no digital), Requalificação e Reposicionamento da Oferta Turística, Captação de Investimento Direto Estrangeiro e de Marcas Internacionais, Transformação do Cluster do Turismo em veículo para Estratégias de Eficiência Coletiva no Turismo, Incentivo à Criação de Novos Negócios Turísticos, Fostering Innovation in Tourism 2.0, NEST e Capacitação de Startups “Rising Stars”.

O plano inclui ainda 641,1 milhões de euros na área da sustentabilidade nas empresas e nos destinos, através dos programas Turismo + Sustentável, Portugal Upgrade Tomorrow (reforçar competências em sustentabilidade), Monitorização Integrada de Consumo de Recursos, Incentivo à Mobilidade Elétrica, Incentivo à Mobilidade Responsável (Ferroviária e Marítima), Apoio a Projectos Transfronteiriços e a Projectos Integrados de Base Regional, Valorizar 2.0, Programa + Algarve e Programa Empresas Turismo 360º.

Além de atingir os 27 mil milhões de euros de receitas turísticas em 2027, o plano pretende fazê-lo “de uma forma sustentável, gerando riqueza e bem estar em todo o território, ao longo de todo o ano e apostando na diversificação de mercados e segmentos”.

Sobre as receitas turísticas, que em 2019, antes da pandemia, antingiram os 18.291 milhões de euros e que no ano passado caíram para 7.753 milhões de euros, as perspectivas do Governo apontam para uma recuperação para 9.303 milhões de euros este ano.

As receitas turísticas vão continuar abaixo dos níveis pré-pandemia em 2022, segundo as estimativas do governo, que apontam para um valor de 13.955 milhões nesse ano.

As perspectivas indicam que em 2023 as receitas turísticas de Portugal recuperem para os níveis de 2019, para 18.290 milhões, e continuem a aumentar nos anos seguintes para 20.235 milhões em 2024, 22.386 milhões em 2025, para 24.766 milhões em 2026 e para 27.400 milhões em 2027.