1. Home
  2. CIA
  3. AÉREAS
  4. Turismo retorna a fluxo normal na China

Turismo retorna a fluxo normal na China

0
0

Companhias aéreas com 75% do fluxo normal e governo motiva viagens com voucher

A China se vem se recuperou rápido das consequências da pandemia do covid-19 com 75% dos números em relação a 2019, índices atingidos em agosto, segundo o CAPA Centre for Aviation, com sede na Austrália. 

Um dos eventos mais tracionais da China, o Festival do Meio Outono da China, que ocorreu no primeiro fim de semana de outubro, reuniu a milhares de pessoas nos locais turísticos de todo o país.

O Ministério da Cultura e Turismo do país esperava que um total de 550 milhões de pessoas viajassem para o festival, de acordo com o tablóide Global Tourism, do Partido Comunista Chinês, um número que equivaleria a 70% do total do ano passado.

De fato, na China, onde a Covid-19 se originou, as viagens domésticas estão se recuperando rapidamente.

Poucos casos

Os analistas dizem que a chave para a recuperação das viagens na China tem sido o sucesso em eliminar o vírus Covid-19. A nação de 1,4 bilhão raramente notificou mais de 30 casos confirmados em um dia desde o início de setembro, de acordo com a Organização Mundial da Saúde.

E enquanto alguns especialistas duvidam que tais números representem a verdadeira contagem, poucos questionam que a transmissão no país é baixa, especialmente em comparação com os EUA, onde os casos confirmados diariamente estão agora acima de 50.000.

“Acho que as pessoas votam com os pés”, disse Xiang Li, diretor do Centro de Pesquisa em Turismo e Hospitalidade da Temple University na Ásia. “Se os dados oficiais não são totalmente confiáveis, então realmente duvido que o povo chinês seja corajoso ou tolo o suficiente para fazer o tipo de movimento que estamos vendo.”

Ainda assim, os analistas discordam sobre se há algo que os americanos, e especialmente a indústria do turismo dos EUA, podem tirar do sucesso da China.

“A lição errada é que um bloqueio no estilo Wuhan é a maneira de fazer isso”, disse Amesh Adalja, acadêmico sênior do Centro de Segurança Sanitária da Universidade Johns Hopkins. Ele disse que a China originalmente atrofiou a transmissão do Covid-19 ao tomar medidas drásticas, incluindo confinar as pessoas em suas casas e separar as crianças de suas famílias.

Mais tarde, depois que os níveis de transmissão foram drasticamente reduzidos, disse Dai, tanto o estado chinês quanto as companhias aéreas chinesas tomaram uma série de medidas proativas para aumentar as viagens aéreas e o turismo. O estado, por exemplo, facilitou as restrições à multidão, incluindo recentemente o aumento do limite máximo de atrações para visitantes de 50% para 75%. 

Incentivos à viagens

As companhias aéreas, por sua vez, têm descontos agressivos para estimular a demanda.

As limitações contínuas na capacidade dos residentes chineses de viajarem para o exterior também estão servindo para redirecionar a demanda reprimida de viagens para o mercado doméstico, disse Dai.

Li disse que tanto o setor público quanto o privado na China também foram inovadores nos esforços para estimular as viagens. Por exemplo, muitos destinos chineses distribuíram vouchers para os residentes usarem em despesas como viagens e compras.

“É apenas uma abordagem diferente para um pacote de estímulo”, disse ele.

E Li deu crédito às empresas de viagens chinesas por sua implantação inteligente de tecnologia. Por exemplo, Trip.com, a maior OTA do país, conseguiu revigorar as vendas por meio de transmissões ao vivo de grande sucesso que promoveram produtos de turismo doméstico.

Maquiagem oficial ?

Ainda assim, como as companhias aéreas chinesas trouxeram a capacidade doméstica de volta para 90% dos níveis de 2019 em agosto, as taxas de ocupação foram medianas de 75,3%, de acordo com a IATA, queda de 12,3 pontos percentuais ano após ano.

Judson Rollins, fundador da consultoria Propel Aviation Solutions, sediada na Nova Zelândia, disse que o número, juntamente com o desconto, sugere que as transportadoras chinesas estão voando o que ele chamou de “capacidade não econômica”, provavelmente sob a direção do governo.”O que você está vendo são as companhias aéreas sendo instruídas a voar”, disse Rollins.

As três maiores transportadoras da China – China Southern, Air China e China Eastern – são de propriedade majoritária do governo federal, observou ele. E várias transportadoras menores são co-propriedade e financeiramente apoiadas pelos governos provinciais. Como tal, as perdas podem ser contidas pelos contribuintes.

“Eles querem manter a aparência de uma economia saudável”, disse Rollins.

Adalja, de Johns Hopkins, disse que é Taiwan, e não a China, que os EUA e a indústria de viagens dos EUA devem buscar para obter lições sobre como possibilitar o turismo doméstico saudável durante a pandemia.

Os 24 milhões de habitantes de Taiwan estão agora se movendo livremente, sem distanciamento social. As limitações de capacidade terminaram no início de junho.

Enquanto isso, o país registrou um total de apenas 523 casos de Covid-19 e sete mortes, de acordo com os Centros de Controle de Doenças de Taiwan.

Adalja disse que o sucesso de Taiwan em lidar com a Covid-19 se deve à ação proativa e ao robusto sistema de saúde pública que vem construindo desde o surto de SARS em 2003.

Taiwan começou a agir em dezembro passado, disse Adalja, assim que tomou conhecimento de relatos vindos de Wuhan e antes que a China continental reconhecesse a gravidade do problema.

O país implementou testes robustos, rastreamento de contato e isolamento e também começou a triagem de viajantes que chegam de Wuhan. Ser proativo, em vez de reativo como a maioria do mundo, permitiu que Taiwan impedisse a Covid-19 de se estabelecer, disse Adalja.