1. Home
  2. CIA
  3. AÉREAS
  4. Airbus inicia projeto de avião movido a hidrogênio

Airbus inicia projeto de avião movido a hidrogênio

0
0

A busca pela emissão zero de CO2 é uma meta da aviação civil, principalmente na Europa, onde países como a França já estuda a cobrança de impostos elevados para companhias aéreas que poluem muito. O presidente Macron chegou a criar um Conselho de Cidadão para elaborar propostas nesse sentido e um em breve a Franças pretende cobrar cerca de 4 bilhões euros das companhia aéreas.

Pensando em se ajudar a questão ambiental para redução de CO2 e também não vir a pagar impostos a Airbus apresentou oficialmente seus três novos conceitos de aeronaves comerciais, que fazem parte de uma família chamada de ZEROe, alimentados por hidrogênio e que devem fazer parte da sua frota até 2035, quando a primeira aeronave comercial com emissão zero de poluentes deve começar a voar. A tecnologia com potencial para reduzir emissões em até 50% estará presente portanto em três modelos.

Um dos modelos se parece muito com um avião comercial clássico, embora tenha asas mais longas e flexíveis. Outro se assemelha a um avião turboélice atualmente utilizado por grandes companhias aéreas como a Azul e seus ATRs. E o terceiro conceito é considerado um design revolucionário, algo nada parecido com o que temos hoje na indústria. O trio apresenta uma diferença revolucionária em comparação com seus predecessores: a propulsão por hidrogênio.

“Há apenas cinco anos, a propulsão por hidrogênio nem estava em nosso radar como uma viável via de tecnologia de redução de emissões”, explica Glenn Llewellyn, VP da divisão Zero-Emission Aircraft da Airbus. “Mas dados convincentes de outras indústrias de transporte mudaram isso tudo rapidamente. Hoje, estamos entusiasmados com o incrível potencial que o hidrogênio oferece à aviação em termos de redução de emissões disruptivas”, completou.

Esse é realmente o objetivo. A Airbus anunciou recentemente sua ambição de desenvolver a primeira aeronave comercial de emissão zero do mundo até 2035. E neste caso, o hidrogênio certamente se destaca da embalagem, com o potencial de reduzir as emissões de CO2 da aviação em até 50%, informou a Airbus.

Para cumprir a meta ambiciosa até 2035, a Airbus precisará lançar o programa de aeronaves ZEROe até 2025. O prazo dá aos engenheiros do fabricante aproximadamente cinco anos para amadurecer todas as tecnologias de hidrogênio necessárias. Nos próximos meses, estima-se que vários programas de demonstração de hidrogênio serão formalmente lançados. Estima-se que um protótipo de aeronave em escala real chegue no fim deste ano ainda.