1. Home
  2. CIA
  3. AÉREAS
  4. Testes de Covid-19 em aeroportos podem abrir fronteiras

Testes de Covid-19 em aeroportos podem abrir fronteiras

0
0

Emirates realiza testes nos aeroporto para os passageiros embarcarem

O fechamento das fronteiras entre os países, principalmente aqueles que estão com o alto índice de casos de covid-19, é um problema que afeta a economia e vários países e que vem levando a falência vários empreendimentos.

Esta situação poderia ser resolvida apenas com a exigências de exames de covid-19, mas na prática, o que se tem notado é uma verdadeira guerra de retaliações políticas entre governos.

Na Europa, decisões tomadas por Governos, deixam bem claro essa prática é uma respostas ao tratamento que se deu ao turista, como por exemplo, Portugal onde os empresários do setor de turismo de Portugal, não devolveram os pagamentos das reservas, nem sequer aceitaram a remarcação para outras datas.

Esse seria o principal motivo, já que Portugal é dos um dos países com baixíssimos índices de contaminação e um dos que mais realizam testes de covid-19. Portugal foi classificado por três anos consecutivos, como o melhor destino turístico do mundo, mesmo assim, com a pandemia está sendo classificado como lugar não recomendado para o turismo. A Inglaterra, principal polo emissor de turista para Portugal, foi o primeiro a fechar fronteiras para lá.

Proposta dos EUA

Entretanto para suplantar essas retaliações vem dos Estados Unidos, com a proposta de se fazer os exames de covid-19 nos aeroportos, com uma ação mundial coordenada e com transparência e rígida fiscalização.

Um dos testes Covid-19 mais difundidos em aeroportos está ocorrendo na Alemanha, que impões aos viajantes vindos de áreas de alto risco, incluindo os EUA, testes 72 horas após a chegada. Os testes estão disponíveis gratuitamente nos aeroportos, entre eles Berlin Tegel, Berlin Schonefeld, Munique, Frankfurt e Dusseldorf. Em Frankfurt, por exemplo, duas estações de teste foram estabelecidas, cada uma das quais aberta 18 horas por dia.

O resultado dos testes é rápido, ou seja, de quatro a cinco horas, depois da coleta do material, realizado pela Lufthansa e destinado a viajantes internacionais que chegam em Munique e Frankfurt no final de junho e oriundos de países de alto índice de contaminação. Aqueles que obtêm resultados negativos ficam imediatamente livres dos requisitos de quarentena de duas semanas.

Japão: uma hora apenas

Uma resposta ainda mais rápida é oferecida nos aeroportos Haneda e Narita, em Tóquio. A mídia local informou no final de julho que os aeroportos começaram a oferecer testes de antígeno Covid-19 com um tempo de resposta de uma hora. Esperava-se que a capacidade de teste em Haneda aumentasse para 3.800 pessoas por dia, de acordo com o meio de notícias financeiras Nikkei Asian Review.

Também oferece testes de Covid-19, o Aeroporto de Istambul, onde os testes de US $ 16 começaram no início de julho. A capacidade por dia é de aproximadamente 40.000 testes. Os resultados são entregues em duas horas.

Enquanto isso, no aeroporto de Hong Kong, os passageiros que chegam devem pegar um ônibus para um local de teste, de acordo com o site do aeroporto.

Esforços como esses, se coordenados através das fronteiras, podem ser a chave para a abertura de viagens internacionais enquanto a pandemia Covid-19 continua. Pelo menos é o que pensam algumas grandes companhias aéreas.

No mês passado, os CEOs da American, United, do Lufthansa Group e International Airlines Group (controladora da British Airways) escreveram uma carta ao vice-presidente Mike Pence e à comissária europeia para assuntos internos Ylva Johansson, pedindo a criação de uma parceria entre EUA e Europa Programa de testes da Union Covid-19 para facilitar o reinício das viagens transatlânticas. Atualmente, os EUA proíbem viajantes da UE e do Reino Unido. A UE proíbe visitantes dos EUA, enquanto o Reino Unido exige que os viajantes fiquem em quarentena por 14 dias.

Josh Walker, co-fundador da Nomi Health, sediada em Utah, que faz os testes do Covid-19 sob contrato com os estados de Utah, Nebraska e Iowa, disse acreditar que programas de testes coordenados podem ajudar países ao redor do mundo a reduzir as restrições de viagens. Mas não será fácil. “Eu acho que é possível”, disse Walker. “Será necessário algum esforço para chegar lá? Com ​​certeza.”

Nomi, disse Walker, conversou com o Aeroporto de Miami, London Heathrow e uma grande companhia aérea estrangeira sobre a realização de seus testes. Ele disse que para um programa de teste coordenado funcionar, um único protocolo precisaria ser estabelecido pelas várias autoridades regulatórias.

Por exemplo, os panfletos podem iniciar o processo inserindo informações básicas de registro no mesmo site. Eles também precisariam ser testados usando tecnologia padronizada e ter os testes concluídos dentro de um prazo especificado.

Walker disse que, embora os aeroportos que realizam os testes do Covid-19 na chegada sejam um bom passo, uma abordagem melhor seria solicitar testes antes da partida. Talvez, disse ele, um aeroporto pudesse criar locais de teste, no local ou fora do local, que os passageiros seriam obrigados a visitar para uma consulta dentro de 24 horas de seu voo. Dessa forma, os resultados podem ser entregues antes de voar.  Os resultados podem até ser codificados em cartões de embarque, acrescentou.