1. Home
  2. DESTINOS
  3. CPT apresenta Plano para retoma do turismo

CPT apresenta Plano para retoma do turismo

0
0
Almoço Debate Legislativas 2019, CTP, Turismo, Francisco Calheiros, António Costa

O presidente da Confederação do Turismo em Portugal (CTP), Francisco Calheiros, cobrou do Governo a implementação de 99 medidas, 24 das quais transversais a toda a atividade turística e 75 divididas pelos diferentes ramos de atividade, desde o alojamento, imobiliária turística, golfe, restauração, aviação, rent-a-car, distribuição, animação turística, eventos e congressos, espetáculos, jogo e promoção turística.

Neste documento a CTP reafirma “o papel crucial que o turismo tem assumido na economia nacional e identifica a retoma desta atividade como um imperativo nacional e quanto mais cedo se iniciar, mais rapidamente a economia recuperará e para que a economia continue a beneficiar do contributo do turismo, o Estado terá de se confinar no apoio às empresas e à preservação do emprego no turismo, gerando confiança nos consumidores e segurança nos trabalhadores”, refere a nota de imprensa da confederação.

Segundo Francisco Calheiros “ é urgente que as medidas apresentadas pela CTP sejam analisadas pelo Governo e que haja recetividade sobre as mesmas. “Estamos a correr contra o tempo e é preciso que continue a existir a abertura e a flexibilidade que têm existido para que, em conjunto, se prepare o futuro próximo no que respeita à retoma da atividade turístic”.

A CTP sugere a criação e implementação, pelas diferentes entidades, de várias ações no âmbito sanitário, propondo a produção de orientações de segurança sanitária para o Turismo; elaborar e divulgar o itinerário sanitário do visitante (end-to-end safe customer journey).

Mas para o sucesso de todo esse esforço depende também a divulgação nos polos emissores de turistas, o selo “Clean & Safe” a toda a cadeia de valor do turismo e a divulgação do mesmo no mercado interno e nos mercados do Reino Unido, Alemanha, França, Espanha, Holanda e Bélgica.

Companhias aéreas de baixo custo

O Plano apresentado pela CTP também contempla à mobilidade e acessibilidades e sugere o lançamento de um programa de incentivos à operação aérea comercial (companhias nacionais e companhias de baixo custo); a definição de um modelo de governança que assegure a viabilidade financeira e operacional da TAP e garantir o Aeroporto Humberto Delgado como hub internacional, bem como, a construção do Aeroporto do Montijo.

Campanhas de marketing, principalmente em veículos e blogs especializados em turismo. Isto trás credibilidade. Os influencer estão em baixa no momento, pois não demonstraram compromisso com a informação e orientação à população, durante a pandemia. Essa missão está sendo realizada aos profissionais da imprensa, que trabalham até hoje, todos os dias, para levar a todos informação e principalmente a consciência da gravidade do momento.

 

Lay-off

A CTP quer o prolongamento do regime do lay-off, de socorra às  empresas. “Adaptando-o à evolução da retoma do turismo, até ao primeiro semestre de 2021, abrangendo a totalidade dos ramos turísticos”, disse o Francisco Calheiros

Outro ponto é o prolongamento das moratórias fiscais e de reembolsos de financiamento para segundo semestre de 2021; criação de mecanismos e medidas de apoio à reestruturação financeira das empresas; isentar o pagamento por conta, o pagamento especial por conta, o IMI, o AIMI e tributação autónoma em sede de IRC até final de primeiro semestre de 2021; criação de uma linha de apoio ao financiamento de investimento em aquisição de bens, serviços e produtos para segurança sanitária das instalações, etc; e implementar um programa de pagamentos do Estado às empresas e de agilização célere de reembolsos.

A Confederação defende o alargamento da isenção temporária do pagamento das contribuições à Segurança Social a cargo da entidade empregadora, relativamente aos trabalhadores abrangidos e aos membros dos órgãos estatutários, ao mês seguinte ao da retoma da atividade; a reposição do regime de banco de horas individuais pelo período da retoma do mercado, não inferior a um ano; a simplificação e promoção do regime de horário concentrado e simplificar o regime de teletrabalho e estimular a sua aplicação; a discussão da política de rendimentos em sede de Comissão Permanente de Concertação Social com vista à revisão das metas da Retribuição Mínima Mensal Garantida; a suspensão temporária da norma que impede que as renovações tenham duração superior à inicial e alargamento do período experimental; e a implementação da medida de apoio às ações de formação e a revisão dos critérios da medida CONVERTE+ adequando-a à realidade presente.

Para Francisco Calheiros, o Plano de Retoma do Turismo Português, é fundamental o empenho do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia, para a criação de uma linha específica de apoio ao desenvolvimento do turismo, com dotação própria e dedicada, é um dos instrumentos necessários para que o turismo possa dar o seu contributo à coesão territorial e social europeia.

Para a CTP, a retoma “exigirá, necessariamente, apoios da Estado e da União Europeia, por um período prolongado e com instrumentos ágeis, adequados à natureza do ciclo de exploração e financeiro das empresas turísticas”

 

 

 

 

 

 

 

O presidente da Confederação do Turismo em Portugal (CTP), Francisco Calheiros, cobrou do Governo a implementação de 99 medidas, 24 das quais transversais a toda a atividade turística e 75 divididas pelos diferentes ramos de atividade, desde o alojamento, imobiliária turística, golfe, restauração, aviação, rent-a-car, distribuição, animação turística, eventos e congressos, espetáculos, jogo e promoção turística.

Neste documento a CTP reafirma “o papel crucial que o turismo tem assumido na economia nacional e identifica a retoma desta atividade como um imperativo nacional e quanto mais cedo se iniciar, mais rapidamente a economia recuperará e para que a economia continue a beneficiar do contributo do turismo, o Estado terá de se confinar no apoio às empresas e à preservação do emprego no turismo, gerando confiança nos consumidores e segurança nos trabalhadores”, refere a nota de imprensa da confederação.

Segundo Francisco Calheiros “ é urgente que as medidas apresentadas pela CTP sejam analisadas pelo Governo e que haja recetividade sobre as mesmas. “Estamos a correr contra o tempo e é preciso que continue a existir a abertura e a flexibilidade que têm existido para que, em conjunto, se prepare o futuro próximo no que respeita à retoma da atividade turístic”.

A CTP sugere a criação e implementação, pelas diferentes entidades, de várias ações no âmbito sanitário, propondo a produção de orientações de segurança sanitária para o Turismo; elaborar e divulgar o itinerário sanitário do visitante (end-to-end safe customer journey).

Mas para o sucesso de todo esse esforço depende também a divulgação nos polos emissores de turistas, o selo “Clean & Safe” a toda a cadeia de valor do turismo e a divulgação do mesmo no mercado interno e nos mercados do Reino Unido, Alemanha, França, Espanha, Holanda e Bélgica.

Companhias aéreas de baixo custo

O Plano apresentado pela CTP também contempla à mobilidade e acessibilidades e sugere o lançamento de um programa de incentivos à operação aérea comercial (companhias nacionais e companhias de baixo custo); a definição de um modelo de governança que assegure a viabilidade financeira e operacional da TAP e garantir o Aeroporto Humberto Delgado como hub internacional, bem como, a construção do Aeroporto do Montijo.

Campanhas de marketing, principalmente em veículos e blogs especializados em turismo. Isto trás credibilidade. Os influencer estão em baixa no momento, pois não demonstraram compromisso com a informação e orientação à população, durante a pandemia. Essa missão está sendo realizada aos profissionais da imprensa, que trabalham até hoje, todos os dias, para levar a todos informação e principalmente a consciência da gravidade do momento.

 

Lay-off

A CTP quer o prolongamento do regime do lay-off, de socorra às  empresas. “Adaptando-o à evolução da retoma do turismo, até ao primeiro semestre de 2021, abrangendo a totalidade dos ramos turísticos”, disse o Francisco Calheiros

Outro ponto é o prolongamento das moratórias fiscais e de reembolsos de financiamento para segundo semestre de 2021; criação de mecanismos e medidas de apoio à reestruturação financeira das empresas; isentar o pagamento por conta, o pagamento especial por conta, o IMI, o AIMI e tributação autónoma em sede de IRC até final de primeiro semestre de 2021; criação de uma linha de apoio ao financiamento de investimento em aquisição de bens, serviços e produtos para segurança sanitária das instalações, etc; e implementar um programa de pagamentos do Estado às empresas e de agilização célere de reembolsos.

A Confederação defende o alargamento da isenção temporária do pagamento das contribuições à Segurança Social a cargo da entidade empregadora, relativamente aos trabalhadores abrangidos e aos membros dos órgãos estatutários, ao mês seguinte ao da retoma da atividade; a reposição do regime de banco de horas individuais pelo período da retoma do mercado, não inferior a um ano; a simplificação e promoção do regime de horário concentrado e simplificar o regime de teletrabalho e estimular a sua aplicação; a discussão da política de rendimentos em sede de Comissão Permanente de Concertação Social com vista à revisão das metas da Retribuição Mínima Mensal Garantida; a suspensão temporária da norma que impede que as renovações tenham duração superior à inicial e alargamento do período experimental; e a implementação da medida de apoio às ações de formação e a revisão dos critérios da medida CONVERTE+ adequando-a à realidade presente.

Para Francisco Calheiros, o Plano de Retoma do Turismo Português, é fundamental o empenho do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia, para a criação de uma linha específica de apoio ao desenvolvimento do turismo, com dotação própria e dedicada, é um dos instrumentos necessários para que o turismo possa dar o seu contributo à coesão territorial e social europeia.

Para a CTP, a retoma “exigirá, necessariamente, apoios da Estado e da União Europeia, por um período prolongado e com instrumentos ágeis, adequados à natureza do ciclo de exploração e financeiro das empresas turísticas”

 

 

 

 

 

 

O presidente da Confederação do Turismo em Portugal (CTP), Francisco Calheiros, cobrou do Governo a implementação de 99 medidas, 24 das quais transversais a toda a atividade turística e 75 divididas pelos diferentes ramos de atividade, desde o alojamento, imobiliária turística, golfe, restauração, aviação, rent-a-car, distribuição, animação turística, eventos e congressos, espetáculos, jogo e promoção turística.

Neste documento a CTP reafirma “o papel crucial que o turismo tem assumido na economia nacional e identifica a retoma desta atividade como um imperativo nacional e quanto mais cedo se iniciar, mais rapidamente a economia recuperará e para que a economia continue a beneficiar do contributo do turismo, o Estado terá de se confinar no apoio às empresas e à preservação do emprego no turismo, gerando confiança nos consumidores e segurança nos trabalhadores”, refere a nota de imprensa da confederação.

Segundo Francisco Calheiros “ é urgente que as medidas apresentadas pela CTP sejam analisadas pelo Governo e que haja recetividade sobre as mesmas. “Estamos a correr contra o tempo e é preciso que continue a existir a abertura e a flexibilidade que têm existido para que, em conjunto, se prepare o futuro próximo no que respeita à retoma da atividade turístic”.

A CTP sugere a criação e implementação, pelas diferentes entidades, de várias ações no âmbito sanitário, propondo a produção de orientações de segurança sanitária para o Turismo; elaborar e divulgar o itinerário sanitário do visitante (end-to-end safe customer journey).

Mas para o sucesso de todo esse esforço depende também a divulgação nos polos emissores de turistas, o selo “Clean & Safe” a toda a cadeia de valor do turismo e a divulgação do mesmo no mercado interno e nos mercados do Reino Unido, Alemanha, França, Espanha, Holanda e Bélgica.

Companhias aéreas de baixo custo

O Plano apresentado pela CTP também contempla à mobilidade e acessibilidades e sugere o lançamento de um programa de incentivos à operação aérea comercial (companhias nacionais e companhias de baixo custo); a definição de um modelo de governança que assegure a viabilidade financeira e operacional da TAP e garantir o Aeroporto Humberto Delgado como hub internacional, bem como, a construção do Aeroporto do Montijo.

Campanhas de marketing, principalmente em veículos e blogs especializados em turismo. Isto trás credibilidade. Os influencer estão em baixa no momento, pois não demonstraram compromisso com a informação e orientação à população, durante a pandemia. Essa missão está sendo realizada aos profissionais da imprensa, que trabalham até hoje, todos os dias, para levar a todos informação e principalmente a consciência da gravidade do momento.

 

Lay-off

A CTP quer o prolongamento do regime do lay-off, de socorra às  empresas. “Adaptando-o à evolução da retoma do turismo, até ao primeiro semestre de 2021, abrangendo a totalidade dos ramos turísticos”, disse o Francisco Calheiros

Outro ponto é o prolongamento das moratórias fiscais e de reembolsos de financiamento para segundo semestre de 2021; criação de mecanismos e medidas de apoio à reestruturação financeira das empresas; isentar o pagamento por conta, o pagamento especial por conta, o IMI, o AIMI e tributação autónoma em sede de IRC até final de primeiro semestre de 2021; criação de uma linha de apoio ao financiamento de investimento em aquisição de bens, serviços e produtos para segurança sanitária das instalações, etc; e implementar um programa de pagamentos do Estado às empresas e de agilização célere de reembolsos.

A Confederação defende o alargamento da isenção temporária do pagamento das contribuições à Segurança Social a cargo da entidade empregadora, relativamente aos trabalhadores abrangidos e aos membros dos órgãos estatutários, ao mês seguinte ao da retoma da atividade; a reposição do regime de banco de horas individuais pelo período da retoma do mercado, não inferior a um ano; a simplificação e promoção do regime de horário concentrado e simplificar o regime de teletrabalho e estimular a sua aplicação; a discussão da política de rendimentos em sede de Comissão Permanente de Concertação Social com vista à revisão das metas da Retribuição Mínima Mensal Garantida; a suspensão temporária da norma que impede que as renovações tenham duração superior à inicial e alargamento do período experimental; e a implementação da medida de apoio às ações de formação e a revisão dos critérios da medida CONVERTE+ adequando-a à realidade presente.

Para Francisco Calheiros, o Plano de Retoma do Turismo Português, é fundamental o empenho do Parlamento Europeu e da Comissão Europeia, para a criação de uma linha específica de apoio ao desenvolvimento do turismo, com dotação própria e dedicada, é um dos instrumentos necessários para que o turismo possa dar o seu contributo à coesão territorial e social europeia.

Para a CTP, a retoma “exigirá, necessariamente, apoios da Estado e da União Europeia, por um período prolongado e com instrumentos ágeis, adequados à natureza do ciclo de exploração e financeiro das empresas turísticas”