1. Home
  2. DESTINOS
  3. Europa se organiza para volta do turismo em maio ou junho liberação das fronteiras

Europa se organiza para volta do turismo em maio ou junho liberação das fronteiras

0
0

 

A Comunidade Europeia discutiu ontem as normas para abertura das fronteiras para viabilizar a atividade turística, principalmente porque a partir de maio e junho iniciam o período de férias no Velho Continente.

 

“Não há nenhuma data para a abertura de fronteiras. O que ficou definido é que a Comissão Europeia irá trabalhar com os diferentes Estados para poder avaliar uma estratégia comum de abertura de fronteiras, quer externas, quer internas, tendo em vista o período de férias que se avizinha e o turismo. Portugal insistiu bastante na importância de salvaguardar um setor vital para a economia de toda a Europa que é o setor do turismo”, disse o Primeiro-ministro, António Costa, na conferência de imprensa que se seguiu à reunião.

 

Os representantes dos Estados-membros que participaram da videoconferência chegaram a um acordo também sobre a necessidade de haver uma estratégia de preparação de uma segunda vaga da pandemia que inevitavelmente poderá existir enquanto não for descoberta e estiver acessível em larga escala uma vacina.

 

A videoconferência europeia discutiu também como o Continente vai se recuperar financeiramente, no período pós covid-19. O Conselho Europeu aprovou os três instrumentos lançados pelo Eurogrupo tendo em vista a criação de três linhas de crédito: uma para financiar as empresas através do Banco Europeu de Investimentos.

 

O grupo também decidiu por uma segunda linha para apoiar o Estado no conjunto de medidas que têm sido adotadas para a manutenção de postos de trabalho e a proteção de rendimentos, designadamente as medidas de lay off, e uma terceira linha tendo em vista assegurar capacidade de todos os Estados “de terem recursos financeiros para responder aquilo que são as despesas necessárias, resultantes do combate direto ou indireto à prevenção no âmbito da pandemia Covid-19”.

O grupo volta a se reunir no dia 6 de maio quando será apresentada uma proposta definitiva. O Primeiro-ministro sublinhou que houve unanimidade dos Estados-membro na criação deste fundo. A grande questão, contudo, referiu Costa, “está em saber como é que esse Fundo de Recuperação vai financiar cada um dos Estados membros”, finalizou